Colégio de Aplicação
  • Cancelamento da Parada Pedagógica de 19 de abril

    Publicado em 16/04/2018 às 16:05

    Prezada comunidade escolar,

    a Direção informa o cancelamento da parada pedagógica prevista para o dia 19 de abril, por motivos operacionais. Haverá aulas normais nos períodos matutino e vespertino.

    Oportunamente, será divulgada nova data para a realização da parada.

    À disposição,

    Direção do Colégio de Aplicação


  • RESULTADO DO SORTEIO PARA NOVOS ALUNOS – 2018

    Publicado em 23/10/2017 às 12:04

    Esclarecimentos acerca das listas geradas por meio do sorteio do dia 23 de outubro de 2017:

    Conforme o Edital 1/CA/2017, a única turma que possui vagas para o ano letivo de 2018 é o 1º Ano do Ensino Fundamental. Foram sorteadas 57 vagas para ampla concorrência e 3 vagas para candidatos com deficiência, além de uma lista de espera. Por isso, é a única série que tem lista de “Sorteados”.

    Como em todos os anos, as demais turmas somente tiveram sorteios para gerar uma lista de espera, que será utilizada em 2018 quando surgirem vagas nas respectivas turmas. Só a partir da finalização do ano letivo de 2017 será possível quantificar o número de vagas disponíveis nas outras séries. Além disso, a lista gerada pelo sorteio é válida até o final do 2° trimestre de 2018 (mês de setembro), ou seja, é possível que um candidato da lista de espera seja chamado para assumir um vaga até esse período do ano.

    Desta forma, informamos que em 2018, ao surgirem vagas nas turmas, o Colégio de Aplicação lançará editais de convocação respeitando a ordem sorteada. Os editais serão enviados pelo Correio e por e-mail e publicados em nosso site para o responsável pela inscrição. Somente após o recebimento do edital de convocação é que o responsável deverá se dirigir ao colégio para realizar matrícula.

    1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – SORTEADOS

    1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – SORTEADOS

    1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – LISTA DE ESPERA

    1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – LISTA DE ESPERA

    2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – LISTA DE ESPERA

    3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – LISTA DE ESPERA

    4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – LISTA DE ESPERA

    5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – LISTA DE ESPERA

    6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – LISTA DE ESPERA

    7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – LISTA DE ESPERA

    8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – LISTA DE ESPERA

    9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    1º ANO DO ENSINO MÉDIO – LISTA DE ESPERA

    1º ANO DO ENSINO MÉDIO – COM DEFICIÊNCIA – LISTA DE ESPERA

    2º ANO DO ENSINO MÉDIO – LISTA DE ESPERA

    3º ANO DO ENSINO MÉDIO – LISTA DE ESPERA

    3º ANO DO ENSINO MÉDIO – LISTA DE ESPERA – COM DEFICIÊNCIA

    FORMULÁRIO PARA RECURSO DO SORTEIO


  • “Fontes históricas” são tema de aulas dos quintos anos do Ensino Fundamental

    Publicado em 20/04/2018 às 16:48

    No ano de 1500, os portugueses chegaram ao Brasil. Porém, muitas vezes escutamos a história de que essa chegada seria fruto de uma eventualidade, e que Cabral não tinha a intenção de chegar nas terras que viriam a constituir o Brasil. Como será, então, que os historiadores sabem que, naquela época, já se tinha o conhecimento de terras que ainda não haviam sido reivindicadas nem por Portugal e nem pela Espanha, que eram os principais reinos navegadores da época.

    Você já ouviu falar de fontes históricas? Essa semana, nas aulas de CHN, os alunos dos 5º anos estão aprendendo, com a professora de Historia Gláucia Dias da Costa, dos 6ºs anos, que fontes históricas são documentos ou vestígios de uma época ou período histórico, que os historiadores usam para contar a História e que, muitas vezes, essas fontes geram discussões e interpretações diferentes sobre um mesmo evento.

    Já que as fontes são registros do passado, fica aí um registro do que as crianças fizeram esses dias.


  • Grupo “Contarolando” apresenta história e cultura africanas e afro-brasileiras para estudantes dos Anos Iniciais

    Publicado em 20/04/2018 às 16:45

    Você conhece o livro “OLELÊ – Uma antiga cantiga da África”? Ele conta a história por trás de uma tradicional cantiga infantil do povo que vive às margens do Rio Cassai, na República Democrática do Congo. A canção cita palavras de origem Bantu introduzidas no Brasil na época da escravidão.
    Na época da cheia, quando as águas do Rio Cassai sobem, quem está nas áreas baixas precisa migrar para os lugares mais altos. É hora de cantar a música que vai dar coragem às crianças que terão que atravessar o rio. O Kala, o homem mais velho da aldeia, chama os mais novos assim: “Olelê, olelê!”. Os meninos e as meninas entendem que é para a criançada se reunir, entrar nos barcos e começar a perigosa travessia.
    O PET-Pedagogia, através do Grupo Cênico Contarolando, apresentou para as crianças dos Anos Iniciais, no mês de março, esta bela história ligada à temática afro-brasileira e africana.


  • “Jogo das capitais” é utilizado como forma de assimilação e complementação do conteúdo

    Publicado em 16/04/2018 às 15:25

    Neste primeiro trimestre, os alunos do 5º ano C do Ensino Fundamental estudaram dentre outros conteúdos os estados e as capitais brasileiras nas aulas de Ciências Humanas e da Natureza – CHN com a Professora Lara Duarte. Para auxiliar na assimilação do conteúdo foi elaborado o Jogo das Capitais Brasileiras pela professora Nedi Von Fruauff Abreu, da Educação Especial, e confeccionado pelos estagiários de acessibilidade Mateus Moura Ferreira e Antônio Xavier Spengler Filho, e pela estagiária da Série Camila Alves da Silva.

    Depois da explicação do jogo, foram estabelecidas as regras criadas pela professora Nedi. Todos participaram ativamente, fazendo registros das pontuações de cada membro do grupo. Durante o jogo, as professoras Lara e Nedi conseguiram observar as especificidades de cada estudante, suas apropriações e dificuldades e orientá-los na aprendizagem. No segundo momento, os próprios alunos, nos seus respectivos grupos, criaram outras formas e regras para jogar, registrando também os pontos e analisando seu próprio aprendizado, percebendo o que precisavam estudar mais.

    Ao proporcionar esse jogo, as professoras tinham como objetivo estimular a aprendizagem, a interação, a participação e a cooperação em grupo, desenvolver a criatividade na elaboração formas lúdicas e prazerosas de jogar, além de promover ainda mais a inclusão dos estudantes com deficiência e TEA no grupo. Ao analisar os dois momentos, as professoras Lara e Nedi perceberam uma evolução bastante significativa em todos os estudantes do 5º ano C. A dinâmica e a satisfação com o jogo aumentavam conforme eles mesmos estabeleciam novas formas e regras para jogar, tornando-se sujeitos autodidatas de sua aprendizagem.

    Segundo os autores Zanon (2008) e Pozo (1998), os jogos proporcionam ao aluno uma forma prazerosa e divertida de estudar, além de oferecerem ao professor uma maneira diferente de avaliar a assimilação dos conteúdos estudados, de revisar conteúdos e até como um meio mais dinâmico de fixar o conhecimento, permitindo a identificação de erros de aprendizagem. Além disso, o professor pode auxiliar o aluno na tarefa de formulação e reformulação de conceitos, ativando seus conhecimentos prévios e articulando-os a uma nova informação que está sendo apresentada.

    Com base nas referências teóricas e nos resultados positivos observados esta atividade com o jogo foi ampliada para as outras turmas dos 5ºs anos do Ensino Fundamental.


  • Quintos anos têm palestra sobre biomas brasileiros e realizam oficinas de ecocaderno

    Publicado em 12/04/2018 às 14:09

    Você sabia que a onça-pintada é o maior carnívoro terrestre do Brasil? Quando adulta, pode chegar a medir até 2 metros de comprimento e 80 centímetros de altura. O principal habitat da onça-pintada é floresta, porém o Brasil é o país que mais perde floresta tropical por ano. Um estudo elaborado pelo CENAP – Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros, em 2011, demonstra que a onça-pintada sobrevive com menos da metade de sua área de distribuição original e já foi eliminada em grandes extensões de áreas de nosso país. As principais ameaças a esses predadores são: a diminuição do seu habitat, abate indiscriminado e desaparecimento de suas presas naturais. (Fonte: http://www.icmbio.gov.br/cenap/)

    Nesse mês de março, os alunos dos 5ºs anos, participando da palestra sobre biomas brasileiros, e conhecendo melhor as características de cada um dos biomas: Caatinga, Mata Atlântica, Cerrado, Pampa, Pantanal e Amazônia, puderam perceber a importância desses meios naturais para os animais, incluindo nós, seres humanos. No mesmo sentido, também participaram da oficina de ecocaderno na Sala Verde da UFSC, em que aprenderam um pouco sobre aproveitamento de materiais e de práticas ecológicas.


  • “Práticas Espaciais Insurgentes e o Direito à Cidade” é tema de palestra promovida pelo Projeto Nós Propomos!

    Publicado em 12/04/2018 às 13:56
    Convidamos para a palestra: “Práticas Espaciais Insurgentes e o Direito à Cidade”, atividade componente do Projeto Nós Propomos! Cidadania e Inovação na Educação Geográfica.
    Ministrantes: Prof. Dr. Elson Manoel Pereira (PPGG-UFSC) e pelo Doutorando Luis Felipe Cunha (PPGG-UFSC)
    Data: 16/04/2018, segunda-feira
    Horário: 10h30
    Local: Auditório do Colégio de Aplicação-UFSC
    Participe!


  • Projeto Conexão Escola-Mundo realiza oficinas de formação cidadã no CA

    Publicado em 10/04/2018 às 11:35

    O Projeto “Conexão Escola-Mundo: espaços inovadores para a formação cidadã” realizou seu primeiro seminário que contou com a participação de pesquisadores do Brasil e da Espanha. Esse projeto, que conta com a participação de professores(as) da UFSC e professoras do Colégio de Aplicação (CA-UFSC), é centrado na educação em direitos humanos fundamentada na perspectiva da ética hacker que se traduz nos princípios da colaboração, compartilhamento, descentralização e de preocupação com um mundo melhor.

    Como parte desse seminário, hoje, no CA-UFSC, aconteceram diversas oficinas que misturaram arte/cinema, tecnologias digitais, produção de conteúdos, ciência cidadã, além de debates sobre os direitos humanos. Nessas oficinas envolveram-se desde as crianças dos Anos Iniciais até os jovens do Ensino Médio. Esse belo trabalho sela o início de uma parceria entre professores(as) da Educação Básica e do Ensino Superior com o intuito de construir práticas hackers dentro da escola.


  • Projeto “Todo mundo conta histórias” realiza primeira roda do ano de 2018

    Publicado em 19/03/2018 às 18:40

    Na última quinta-feira (15/03) aconteceu a primeira Roda de Histórias com as Famílias do ano de 2018, marco inicial das atividades do Projeto de Pesquisa e Extensão: “Todo mundo conta histórias: crianças, professores e famílias tecendo e partilhando suas narrativas” (2ª edição).

    Na ocasião, além das histórias contadas pelas professoras Marília e Elisangela, as famílias foram presenteadas com “A História mais longa do mundo” contada pela aluna Vitória Marques, do 5º ano A.

     

    Agradecemos a todos pela presença e parceria! Se você também gosta de ouvir histórias fique atento, pois em breve, divulgaremos a data da próxima Roda com as Famílias que é aberta a toda comunidade.


  • Projeto de extensão oferece aulas de computação para o Ensino Fundamental

    Publicado em 19/03/2018 às 13:36

    O Colégio de Aplicação, em parceria com a Profa. Juliana Eyng, do Departamento de Informática e Estatística da UFSC, está abrindo inscrições para o Projeto de Extensão UFSC-INE – COMPUTAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL/2018- 1º semestre, que acontece desde 2014. Este projeto é direcionado aos alunos do 8º ano do Ensino Fundamental, são oferecidas 12 vagas e será ministrado pela professora Juliana Eyng e seus bolsistas.

    O projeto de extensão COMPUTAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL pretende dar oportunidade aos adolescentes da escola pública para iniciarem a aprendizagem de raciocinar com o computador, no sentido de poderem, desde já, conhecer a lógica de programação básica do computador digital.

    Atualmente, a área da tecnologia da informação no Estado de Santa Catarina dispõe de mais de 2000 vagas em aberto, numa demanda crescente de mão-de-obra, constituindo-se numa área que possibilita estágio nas empresas do setor a partir do conhecimento básico e do ensino médio técnico. Esta é a forma pela qual os alunos de graduação da UFSC começam a trabalhar, como estagiários, e passam a ser profissionais da área já durante a graduação, mesmo antes de se formarem na universidade. Assim, o projeto é uma oportunidade para os alunos do Colégio de Aplicação da UFSC testarem suas aptidões nesta área, antes do ingresso na universidade e nas empresas.

    Duração: 12 semanas, nas 6as feiras, das 8h às 9h20  

    Local: Lab de Informática/Colégio de Aplicação/UFSC

    Contatos com Profa Marcia Bernal


  • CA promove atividades extracurriculares envolvendo basquetebol e xadrez

    Publicado em 12/03/2018 às 11:07