CA apresenta trabalhos oralmente no 7º Seminário de Iniciação Científica do Ensino Médio da UFSC

27/11/2017 15:50

As estudantes, orientadoras, avaliadores, equipe da Propesq e a diretora do CA, ao final das apresentações.

Os cinco trabalhos selecionados para apresentação oral no 7º Seminário de Iniciação Científica do Ensino Médio da UFSC são do Colégio de Aplicação. As estudantes Bárbara Vieira (orientadora: Profa. Nara Caetano Rodrigues), Maria Eduarda Pereira Damas (orientadora: Profa. Luana Zimmer Sarzi), Camila Santana da Câmara (orientador: Prof. Camilo Buss Araújo), Eduarda Vieira (orientadora: Profa. Leila Lira Peters) e Iara Vaz de Proença Antonio (orientador: Prof. Leonardo Schwinden) foram escolhidas, após processo de avaliação conduzido por Comissão designada pela Pró-Reitoria de Pesquisa, para expor oralmente seus trabalhos, na sexta, 24/11, no Auditório do CSE.

Da esquerda para a direita: Eduarda, Iara, Camila, Bárbara e Maria Eduarda, estudantes do Ensino Médio do CA e bolsistas PIBIC-EM/CNPq 2016-2017.

As estudantes falaram por 10 minutos cada e depois perguntas e apontamentos foram feitos pelas avaliadoras interna e externa. Ambas destacaram a qualidade das pesquisas apresentadas nas diferentes áreas do conhecimento, orientadas por professores do CA. Uma das estudantes será premiada com um notebook, como trabalho Destaque de Iniciação Científica 2016/2017. O programa PIBIC-EM existe na UFSC há sete anos e professores dos diferentes departamentos orientam pesquisas em escolas públicas de Florianópolis e de outras cidades do estado de Santa Catarina. Os estudantes contemplados recebem bolsas mensais de incentivo à pesquisa. A coordenadora do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica da UFSC destacou a importância da iniciação à pesquisa já no Ensino Médio, convidando mais professores a apresentarem propostas e se disponibilizarem a orientar bolsistas desta faixa etária e nível de ensino.

O Colégio de Aplicação parabeniza suas estudantes e seus professores pelas excelentes pesquisas desenvolvidas. Acreditamos que o ser pesquisador deve ser incentivado e desenvolvido desde as primeiras etapas da vida escolar até o Ensino Médio e Superior. Só assim formaremos estudantes com autonomia intelectual, cidadãos para o presente, críticos e conscientes, capazes de intervir e transformar a realidade.